Não perca a conversa com os especialistas sobre o futuro da tecnologia e das conexões humanas.

Hospitais digitais, o novo futuro da saúde

novembro 29, 2022

O futuro da saúde está cada vez mais próximo graças ao desenvolvimento de hospitais digitais, onde a tecnologia tornou-se a grande protagonista.

Para entender esta mudança de mentalidade e metodologia podemos apontar dois principais fatores responsáveis ​​por impulsionar o setor de saúde para uma transformação tecnológica.

Em primeiro lugar, estamos diante de um cenário demográfico complicado. Por um lado, a população mundial continua crescendo, tanto que até 2050 esperamos atingir 9,7 bilhões de habitantes. Por outro lado, esta população vive mais tempo devido à melhoria das condições de saúde. Em 2030, a porcentagem de pessoas com mais de 60 anos aumentará em 34%.

O segundo fator que impulsionou a digitalização dos hospitais é a crise da COVID-19, que, entre as lições que deixou, deixou claro os resultados que a falta de recursos hospitalares pode causar

Dada a situação demográfica e a preparação para uma possível pandemia futura, uma das principais prioridades da saúde é garantir a quantidade de serviços necessários para evitar o colapso. Isso pode ser alcançado aumentando ou otimizando os recursos e, para alcançar essa segunda opção, a digitalização é necessária.

Embora a tecnologia tenha sido um elemento-chave no sistema hospitalar, o setor de saúde busca uma maior transformação digital com foco na redução de erros, aumento da qualidade da experiência e atendimento ao paciente, otimização da gestão de pessoas e operações e melhoria da comunicação interna e externa.

Uma experiência digital para os pacientes 

Os hospitais digitais buscam transformar completamente a experiência do paciente ao longo de todo o processo. Graças ao uso da tecnologia, os pacientes podem receber rapidamente todo tipo de informação e participar ativamente antes, durante e depois de sua visita.

A melhoria da experiência parte de uma maior personalização tanto no tratamento como nos serviços. Para isso é fundamental não cair em práticas ruins e colocar o paciente no centro. 

Para conseguir um sistema de telemedicina em que o paciente perceba uma melhora na eficiência, é importante levar em consideração 5 fatores:

  • Perspectiva humana: em todos os momentos é preciso considerar o paciente como ser humano e ter o maior grau de empatia possível para entender suas necessidades.
  • Fortalecer as relações pessoais: quando um paciente sente desconforto ou mal-estar, ele precisa se sentir ouvido e cuidado em todos os momentos, por isso a comunicação é essencial.
  • Combinar a inteligência artificial e emocional: a introdução de máquinas de inteligência artificial é um grande avanço para a telemedicina, mas é importante não cair em uma despersonalização onde o paciente sente que está falando com uma máquina.
  • Escolher as métricas adequadas: se falamos de saúde digital, as ePROMs  devem ser aplicadas sempre que possível para registrar a atividade do paciente e compartilhá-la com a equipe de saúde para entender as mudanças que o hospital provoca nos hábitos e qualidade de vida ou na saúde.
  • Sistema centrado no paciente: O paciente deve ser o  centro da estratégia se o objetivo for melhorar sua experiência. 

A melhoria da experiência do cliente é especialmente impulsionada pela inteligência artificial, tanto na internação quanto na gestão da admissão, alta e outros processos.

Inteligência artificial e digital em hospitais

Durante anos, fomos acostumados ao imediatismo. Se quiser saber algo, basta procurar, a qualquer hora e em qualquer lugar. Esse imediatismo é o que os pacientes buscam para suas consultas médicas e é o que a inteligência artificial oferece

Equipar os quartos dos hospitais com assistentes virtuais que usam  IA e que podem responder às perguntas dos pacientes pode mudar drasticamente a experiência do paciente.

Esses assistentes poderiam responder a quaisquer perguntas sobre diagnósticos, horários de medicamentos, resultados de exames, horários de consultas e até mesmo ser um data warehouse para o histórico clínico de cada paciente.

 A inteligência artificial também pode ser a solução para simplificar os processos de admissão e alta. Esses processos muitas vezes causam insatisfação do paciente devido ao tempo de espera e ao grande número de formulários a serem preenchidos. 

O objetivo é conseguir um processo de registro agradável na nuvem e de fácil acesso onde, uma vez internado, o paciente receba todo tipo de instruções por meio de um dispositivo. A IA do referido dispositivo permitiria a seleção de quartos, gerenciamento de medicamentos, opções de diagnóstico e outras operações.

Hospital 4.0 e hospitais inteligentes

A Indústria 4.0 trouxe a transformação digital para todos os setores, incluindo o setor de saúde. 

Esta transformação digital conduziu ao aumento da infraestrutura inteligente, com a incorporação de novas tecnologias como a inteligência artificial, a realidade virtual, o Big Data ou a Internet das Coisas (IoT).

O propósito do hospital inteligente não inclui apenas a incorporação de tecnologia no ambiente hospitalar, mas também abrange benefícios para todas as partes interessadas.

Podemos elencar 10 pontos-chave sobre os quais o hospital do futuro se sustentará:

  1. O hospital do futuro deixará de ser uma instituição fechada para se tornar uma plataforma tecnológica para a atividade das unidades de saúde de cada área geográfica.
  2. A organização do hospital do futuro deixará de ser hierárquica para se organizar de acordo com os processos. Dessa forma, cada área assistencial engloba serviços clínicos e profissionais.
  3. A tecnologia estará muito presente e será fundamental para reduzir internações e evitar internações desnecessárias.
  4. O hospital do futuro monitorará o cuidado ativo e constante de pacientes com condições crônicas. 
  5. O paciente passará a estar no centro, a ter um papel ativo na tomada de decisões, bem como a ser integrado na equipe de saúde.
  6. A organização do hospital deixará de ser focada em serviços para focar em áreas assistenciais como coração, cérebro, câncer, etc.
  7. O surgimento do hospital digital também será determinante para a reestruturação dos serviços e permitirá maior uso da telemedicina, oferecendo atendimento em ambulatórios e domicílios.
  8. Essa transformação também afetará a própria gestão do centro hospitalar, que deve ter maior transparência e divulgar publicamente os resultados obtidos com os recursos.
  9. O hospital tende a oferecer uma maior variedade que permite satisfazer de maneira eficaz as necessidades da população e oferecer serviços de maior qualidade
  10. Em um hospital onde o acompanhamento dos pacientes crônicos será uma das prioridades, a medicina interna será fundamental na visão de futuro.

Covid-19 e a digitalização do hospital do futuro

A crise da COVID-19 mudou o mundo. Diante de um cenário global de pandemia onde milhões de vidas foram afetadas de uma forma ou de outra, a resposta dos hospitais é crucial.

Pode-se dizer que essa crise sanitária foi o gatilho para que a digitalização chegasse mais rapidamente ao sistema de saúde. Na China, já foram implementados robôs que melhoram a experiência e o atendimento ao paciente. 

Mas você não precisa ir a Wuhan, o epicentro do surto, para ver como a tecnologia está dominando os hospitais. Existem muitos hospitais ou centros de cuidados primários em todo o mundo que já possuem robôs de medição de temperatura que funcionam através do 5G.

Também é possível observar outros tipos de robôs mais simples, responsáveis por medir a frequência cardíaca ou os níveis de oxigênio por meio de acessórios como pulseiras inteligentes que são incorporadas aos pacientes e funcionam 24 horas por dia.

Tanto o uso de novas tecnologias de saúde quanto a realidade virtual têm sido usadas na administração de medicamentos intravenosos, onde o robô é capaz de ler o código de barras e reabastecer as seringas para evitar negligência médica.

Outra prática de realidade virtual é a desinfecção de robôs em hospitais que usam luz ultravioleta para matar bactérias e microorganismos nocivos.

Para as crianças, a realidade virtual tem sido essencial para animar a estadia no hospital graças aos robôs de entretenimento que às vezes executam danças engraçadas ou carregam um tablet embutido para jogar diferentes jogos.

A Internet das Coisas, por outro lado, tem sido fundamental na saúde mental para diminuir os níveis de estresse dentro do hospital e oferecer maior tranquilidade durante a internação. 

Essa melhora na saúde mental está relacionada à incorporação de sistemas de entretenimento que usam IoT nos quartos. Esses dispositivos permitem que o paciente esteja em contato com seus familiares e não se sinta tão sozinho durante a internação.

Para quem tem mobilidade reduzida, o nível de estresse pode ser reduzido graças aos terminais controlados por sistemas de voz que dão ao paciente maior autonomia e reduzem sua dependência, algo que melhora exponencialmente sua experiência dentro do hospital.

Artigos relacionados

Tópicos em alta

Blockchain
Technology

Inscreva-se na nossa newsletter

Receba as últimas notícias, postagens selecionadas e destaques. A gente promete nunca enviar spam.

O Healthcare & Life Sciences Studio visa reinventar o ecossistema da indústria de ciências biológicas por meio de soluções tangíveis, baseadas em tecnologia. A Globant visa preencher a lacuna para ajudar as ciências biológicas e as organizações de saúde a cumprir sua missão de fornecer inovação e serviços com mais rapidez e eficiência para aumentar o valor do paciente e melhorar os resultados.