Não perca a conversa com os especialistas sobre o futuro da tecnologia e das conexões humanas.

A readaptação é necessária para alcançar uma transição e estratégia sustentável

outubro 4, 2022

Exploramos na Parte 1 desta série de postagens quais são as mudanças fundamentais para alcançar uma transformação financeira sustentável e como o setor bancário deve se concentrar na mudança para um sistema bancário resiliente ao clima.

Nesta Parte 2, vamos detalhar como a aplicação de uma mudança transversal na atividade e estratégia do banco permitirá uma reinvenção bem sucedida. 

Essa transformação deve começar no nível operacional, passando a fazer parte da gestão corporativa e incluir:

  1. A integração de critérios alinhados a ESG no processo de admissão garante que o portfólio bancário seja aprimorado e alinhado com os caminhos de transição ambiental orientados para o setor.
  2. Monitorar os riscos herdados e apresentar uma visão intersetorial.
  3. Abraçar a inclusão da sustentabilidade como eixo estratégico na entidade. 

Uma política de remuneração ligada à rentabilidade sustentável garantirá que o conselho diretor esteja envolvido nas questões ambientais. 

Dois objetivos devem ser considerados: o primeiro é incorporar uma visão de ESG nas operações de uma organização, o que destaca a necessidade de medir os riscos ambientais. O segundo é alinhar o portfólio com os rumos da descarbonização, incluindo o desenvolvimento das capacidades para alcançá-la. 

Para alcançar o primeiro objetivo, os bancos devem estudar como os riscos ambientais alcançam os riscos financeiros tradicionais (especialmente o risco de crédito). O risco da transição é manter-se atualizado com a mais recente regulamentação setorial e novas tecnologias (que podem afetar os balanços do cliente). Em relação ao risco físico, o importante é projetar corretamente os riscos e mapear as exposições, utilizando ferramentas como análise de cenários e testes de estresse climático, que focam no apoio à descarbonização.

Criar um portfólio alinhado a um caminho de descarbonização baseado na ciência envolve estudar as emissões financiadas de diferentes setores de negócios e entender o peso relativo das diferentes contrapartes em cada portfólio. Isso resulta na compreensão de quais empresas têm vantagem competitiva com um plano de sustentabilidade e quais estão atrasadas. Portanto, isso permitiria ao banco definir diferentes estratégias com cada cliente para garantir o esverdeamento do portfólio.

Segundo a ONU, esta década é chamada de “Década da Ação” e “apela à aceleração de soluções sustentáveis para todos os maiores desafios do mundo – desde pobreza e gênero até as mudanças climáticas, desigualdade e fechamento da lacuna financeira”. Agora é a hora de começar a investir em análises e operações que podem nos levar a implementar mudanças fundamentais e mensuráveis.

A modelagem econômica [3] mostrou que os riscos físicos no longo prazo são uma ameaça muito mais significativa do que os riscos de transição. Embora os riscos de transição sejam mais críticos na primeira década, há necessidade de ação do ponto de vista ambiental e econômico.

Por fim, os bancos devem informar como a Sustentabilidade financeira faz parte dos processos bancários para ilustrar resultados e marcos. As informações publicadas devem oferecer detalhes confiáveis e precisos sobre o impacto potencial de riscos físicos e transitórios e planos estratégicos que apresentem, em termos de sustentabilidade, o balanço e o esforço realizado. Os KPIs incluídos devem estar relacionados ao portfólio. Essa transparência reforça a confiança dos acionistas na estratégia bancária e no projeto financeiro, fundamental para muitos investidores institucionais.

Onde os bancos podem iniciar a transição sustentável de suas carteiras? 

Existem cinco etapas em que os bancos devem se concentrar:

  1. Definir as responsabilidades da alta administração em relação ao risco climático e governança de sustentabilidade. Os bancos, em estágio mais avançado, estabeleceram uma Diretoria de Sustentabilidade, com um executivo subordinado diretamente ao CEO ou a um membro do Conselho de Administração, responsável pela mudança estratégica da organização.
  2. Medir o alinhamento do portfólio com os principais marcos de descarbonização e desenvolver modelos para estimar riscos relacionados ao clima. Nesse aspecto, os dados são vitais para entender e impulsionar a mudança. Analisar o portfólio e seguir os rumos sociais e climáticos esperados para a modelagem prospectiva para a tomada de decisões estratégicas afetaria diretamente o planejamento comercial e financeiro e a Estrutura de apetite por risco. A divulgação dos objetivos estratégicos é necessária, pois os bancos devem tornar públicos seus compromissos climáticos e os detalhes de seus compromissos com a sociedade e o meio ambiente.
  3. Entenda que a disponibilidade e o gerenciamento de dados tornam desafiadores o desenvolvimento e a implantação da análise de cenários climáticos. É um exercício interorganizacional. Assim, os bancos devem atender as necessidades de todas as partes interessadas internas ao planejar seus recursos de data warehouse. 

Assim, os bancos devem atender as necessidades de todas as partes interessadas internas ao planejar seus recursos de data warehouse. 

  1. Além de fornecer recursos analíticos, os bancos devem desenvolver ferramentas de gestão de carteira para controlar a evolução de seu balanço de forma proativa. Compreender as implicações, mesmo a longo prazo, é crucial para tomar as decisões corretas do ponto de vista do risco climático e garantir rentabilidade e estabilidade para a entidade financeira.
  2. Por fim, os bancos devem adotar seus processos de subscrição e comerciais, representando a ação mais impactante para impulsionar a transformação, incluindo considerações de risco climático nas políticas e processos de subscrição e adicionando o prêmio de risco climático correto aos preços oferecidos aos clientes. Isso pode representar um dilema entre aproveitar oportunidades comerciais, aumentar a participação do banco no mercado e mudar para um balanço mais resiliente ao clima, o que deve acarretar menos riscos a longo prazo. Por esse motivo, os bancos devem se esforçar para encontrar um equilíbrio entre os resultados financeiros de curto prazo e as decisões favoráveis ao clima. 

Em resumo, toda mudança trará um novo desafio, e a transição abrupta e rápida dependerá de decisões regulatórias, pressão do mercado e comportamento do consumidor. No entanto, os bancos têm um papel crucial no desenvolvimento da reinvenção do financiamento sustentável.

Para mais informações sobre como sua empresa pode ficar à frente em finanças, consulte o Bluecap Future Finance Studio da Globant.

Artigos relacionados

Tópicos em alta

Blockchain
Technology

Inscreva-se na nossa newsletter

Receba as últimas notícias, postagens selecionadas e destaques. A gente promete nunca enviar spam.

Mais de

Bluecap Future Finance Studio fornece conhecimento profundo no setor financeiro para ajudar as empresas a se reinventarem. Desenvolvemos programas transformacionais customizados e adaptados às necessidades de nossos clientes. Eles impulsionam novos modelos de negócios e estratégias, e aperfeiçam a satisfação de seus clientes.