Agora, mais do que nunca, as organizações precisam desenvolver uma estratégia de sustentabilidade como parte da sua cultura, história de negócios e processo de tomada de decisão. A COP 26 evidenciou que, para alcançar nossos objetivos relacionados ao clima, devemos trabalhar coletivamente como um ecossistema completo onde governos, entidades financeiras públicas e privadas, indústrias produtivas e sociedade civil efetuam sua parte para obter mudanças culturais e econômicas.

Atualmente, enfrentamos consequências críticas com respeito às rápidas mudanças climáticas, como o impacto na biodiversidade e o aumento extremo das condições climáticas que prejudicam a saúde humana, a infraestrutura e a igualdade social. A Comissão Europeia estima que, entre 1980 e 2011, as inundações afetaram mais de 5,5 milhões de pessoas, resultando em perdas econômicas de mais de 90 bilhões de euros. Houve um aumento significativo em relação a desigualdade social, expondo grupos desfavorecidos aos efeitos das mudanças climáticas, diminuindo também sua capacidade de lidar e se recuperar dos danos.

Por meio da inovação, os países emergentes podem ter a oportunidade de superar as soluções herdadas. Os países desenvolvidos, que são altamente dependentes dos combustíveis fósseis, devem concentrar-se na transição para energias renováveis ​​a médio e longo prazo no que diz respeito ao setor de energia. Por outro lado, os países emergentes que carecem de recursos deste setor podem evitar a poluição das soluções legadas adotando diretamente tecnologias modernas e limpas da indústria de energia como parte integrante do aumento da capacidade.

O papel do design no desenvolvimento sustentável

Como líderes em tecnologia, assumimos nossa parte nessa missão e colocamos nossas tecnologias exponenciais existentes em ação para atender às metas de desenvolvimento sustentável à medida que nos concentramos no design sustentável.

Devido à complexidade do tema em questão, com uma estratégia inversa e uma mentalidade de design thinking, estamos repensando e redesenhando o invisível por trás de cada produto e serviço, como cadeias de suprimentos e ciclo de vida dos produtos e serviços.

É necessário o uso dessa abordagem para mostrar o impacto das nossas ações, comportamentos de consumo, mecanismos de abastecimento e gestão de resíduos, revelando o impacto que isso causa no planeta. Queremos entregar projetos e operações que sejam verdadeiramente ecológicos, que respeitem o planeta, e que sejam conscientes e coerentes para impulsionar as empresas em direção à legitimidade.

O design é um canal poderoso para a mudança, um processo estratégico de tomada de decisão, com uma abordagem complexa e sistemática para a resolução de problemas. A solução é resultado de visões multidisciplinares alinhadas e conectadas com o ecossistema. É por isso que as organizações devem incluir o pensamento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) em sua estratégia e processos e serviços de design de produtos.

Nas últimas décadas, projetamos através da abordagem centrada nas pessoas, com foco na conveniência, viabilidade e lucro. Esse caminho, baseado principalmente no consumo progressivo e na super personalização, nos levou a colocar essas preferências acima do bem-estar do nosso planeta.

O que é o design centrado no planeta?

Encaramos como uma abordagem estratégica para a solução de problemas, considerando o meio ambiente, a igualdade social e econômica como prioridade máxima, tomando decisões com base na sustentabilidade. As decisões de inclusão e diversidade para formação de equipe também fazem parte do que chamamos de design organizacional centrado no planeta.

Segundo a Comissão Europeia, “estima-se que mais de 80% de todos os impactos ambientais relacionados aos produtos são determinados durante a fase do projeto”. O design centrado no planeta começa com a estratégia, onde a sustentabilidade precisa fazer parte do propósito, visão e missão da empresa, com metas específicas e métricas críticas apoiadas por C-Levels.

A partir da estratégia, o design centrado no planeta se expande na organização por meio do design de produtos e serviços, considerando, por exemplo, decisões de sourcing e arquitetura tecnológica, como políticas de sobriedade digital e diversidade de equipes, entre outros.

O design centrado no planeta faz parte das capacidades operacionais de uma organização com princípios e estruturas específicas. Por exemplo, os serviços de TI agora são responsáveis ​​por quase 5% das emissões globais, estimando 2X até 2025. Decisões de design simples, como gerenciamento eficiente de dados ou interfaces de usuário limpas – como modo escuro – ajudam a aumentar a eficiência energética e reduzir a pegada de carbono da TI.

Há uma enorme oportunidade de envolver as comunidades (cientistas, engenheiros, empresas locais, legisladores, sociedade civil, governos, entre outros) e a natureza no processo. Os designers devem trabalhar com esses stakeholders e contemplar o impacto na sustentabilidade.

O Nature ‘s Bank da Rainforest Alliance é um projeto que envolve designers de serviço e UX para criar uma jornada baseada nos pontos problemáticos e nas necessidades não atendidas dos agricultores comunitários. Ele também se concentra na compreensão das motivações de negócios para se tornar verde. O banco pretende ser uma ferramenta de inovação transformacional que direciona um bilhão de dólares por ano para agricultores e comunidades florestais. Seu objetivo é proteger e restaurar ecossistemas, construindo uma relação direta entre projetos geradores de créditos de carbono e compradores de créditos, oferecendo créditos de carbono de alta credibilidade e reivindicações com biodiversidade e impacto na comunidade.

A Transformação Digital como aceleradora de sustentabilidade

Nos dias de hoje, as novas tecnologias apresentam soluções que dão suporte a setores específicos na corrida para o zero líquido, como serviços públicos, produção de alimentos ou petróleo e gás. Atualmente, a Internet das Coisas (IoT) nos ajuda a capturar novos dados para serem analisados ​​e aproveitados para a tomada de decisões. A inteligência artificial (IA) nos permite interpretar esses dados e automatizá-los para metas baseadas na ciência (como intensidade de carbono, energia e eficiência hídrica) e árvores de decisão orientadas para a sustentabilidade.

O Blockchain agora está concedendo às organizações privadas, governos e entidades internacionais a opção de ter visibilidade, rastreabilidade e um ambiente confiável para gerenciamento de informações, especialmente relevante para relatórios de sustentabilidade e instrumentos financeiros vinculados à sustentabilidade.

Nas últimas décadas, as organizações reconheceram a importância de ter uma estratégia de transformação digital e repensar seus modelos de negócios. No entanto, muitas organizações ainda não estão abordando seus desafios de sustentabilidade, vendo a sustentabilidade e a transformação digital como dois caminhos separados, sem incluir seus diretores de sustentabilidade ou projetos e equipes de sustentabilidade na conversa.

Vemos a transformação digital como um acelerador da sustentabilidade. Não apenas para o gerenciamento de dados, relatórios, análises e eficiência relacionados a esta, mas para as possibilidades que os desenvolvimentos tecnológicos podem abordar, visando às necessidades de negócios sustentáveis ​​e metas de sustentabilidade, ou o que chamamos de Sustech.

De acordo com a Harvard Business Review, “as empresas podem tornar o software parte integrante dos seus esforços de sustentabilidade levando em consideração sua pegada de carbono na maneira como é projetado, desenvolvido e implantado, repensando em alguns aspectos sobre como os data centers oferecem nuvem serviços baseados em operação”.

Os desafios que enfrentamos

Embora as mudanças climáticas e as ações de sustentabilidade sejam urgentes, alguns obstáculos estão por vir. Em primeiro lugar, o foco está na lucratividade e na receita. Ser sustentável requer um investimento financeiro significativo, um esforço ativo, tempo e uma visão alinhada com os objetivos de sustentabilidade. É por isso que muitas empresas com fins lucrativos se abstêm de escolher o caminho da sustentabilidade, uma vez que o investimento necessário é visto como inviável ou não benéfico a curto prazo.

No entanto, um negócio centrado exclusivamente em lucros não é mais sustentável a longo prazo, especialmente com regulamentações e expectativas dos clientes em evolução focadas em cuidados com o planeta, responsabilidade e transparência. É por isso que outro grande desafio é mudar a mentalidade da alta administração. A maioria das empresas não está ciente da oportunidade oculta inexplorada da sustentabilidade. Alguns acreditam que a sustentabilidade é o antagonista do lucro, mas vimos que quando as empresas mudam para abordagens de negócios sustentáveis, elas prosperam e aumentam sua participação no mercado e presença de marca.

Os consumidores agora estão tomando decisões de consumo conscientes em torno da ética e do impacto da sustentabilidade. Observamos como novos concorrentes estão entrando em diferentes mercados com propostas de valor vinculadas à sustentabilidade – por exemplo, o Flowe, um banco digital voltado para a geração do milênio com alvo na sustentabilidade. Gigantes da indústria estão transformando as propostas de valor existentes, como o BBVA, com seus serviços de medição de sustentabilidade para PMEs.

A sustentabilidade é uma oportunidade não apenas para a conformidade, e as empresas que contribuem para as metas ESG capturaram a fidelidade dos seus clientes por meio de propostas de valor sustentáveis, bem como a lente do mercado financeiro, por meio de novos instrumentos, como fundos de impacto, verde, sustentabilidade e títulos sociais, tendo o objetivo claro de trabalhar para o bem comum, que impacta todo o nosso planeta, e não somente o interesse próprio de uma empresa.

Splight, um caso de sucesso em sustentabilidade

Splight é um dos nossos parceiros pioneiros na inovação do setor de energia, usando uma abordagem de design centrada no planeta e tecnologias exponenciais, como a IoT, a IA e o Blockchain. Eles criaram um conjunto de soluções que aumenta em grande escala a geração e injeção de energia, permitindo a priorização e o aumento da capacidade de energias renováveis na rede sem exigir a construção adicional de infraestrutura elétrica – resultando em uma gigantesca redução de CO2. Eles são a prova viva de que as soluções tecnológicas criam resiliência e aceleram a conclusão dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

Conclusão

Para criar produtos e serviços sustentáveis e responsáveis que promovam o bem-estar dos seres humanos e do planeta, temos que nos conscientizar do impacto que nossos processos de produção e elaboração têm no meio ambiente. Mudar a mentalidade das empresas e indústrias que funcionam da mesma maneira a muitos anos é um grande desafio. No entanto, nosso compromisso é ajudá-los a identificar a tecnologia que levará a propósitos e objetivos sustentáveis. Parte da nossa missão é compartilhar nossa experiência e conhecimento com marcas que evoluíram para um design centrado no planeta. Testemunhamos como esses clientes visionários estão colhendo os benefícios e lucrando ao tomar a decisão certa, fortalecendo seu compromisso com o planeta.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter e mantenha-se atualizado com os temas de sustentabilidade mais relevantes.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>