Metaverse

Uma das palavras-chave mais usadas em 2021 foi o “Metaverso”. Toda empresa de tecnologia parece ter sua própria estratégia Metaverso. Mas, o que é o Metaverso? Será que realmente entendemos o Metaverso?

Uma plataforma de realidade virtual que nos ajudará a uma vida dupla?É um universo paralelo?Uma realidade alternativa, talvez?

Embora existam vários artigos na internet tentando explicar o conceito, a maioria deles é difusa e confusa.

Neste artigo, tentaremos explicar, da maneira mais simples possível, o conceito do Metaverso e todas as tecnologias associadas a ele.

Mas primeiro, para entender o conceito de Metaverso, é necessário entender suas origens.

O início do metaverso

Futuristas ou autores de ficção científica sempre tiveram o dom de identificar tendências tecnológicas, projetar para onde elas nos levariam e vislumbrar soluções para os problemas que a humanidade enfrenta. Uma dessas tendências está frequentemente relacionada à interconexão humana.

Os pensamentos evolutivos de interconexão

Jules Verne – Século XIX – Ele imaginou tudo, desde noticiários a videoconferências.Neal Stephenson & William Gibson – Século XX – Descreveu um espaço virtual compartilhado onde os humanos navegam pela realidade virtual na forma de avatares. Stephenson em seu livro influente, Snow Crash foi o primeiro autor a cunhar o termo “metaverso”.Ernest Cline – Século XXI – Mostrou-nos uma versão atualizada do metaverso em seu romance popular, Ready Player One.

Essas ideias seminais influenciaram grandemente a comunidade tecnológica que abraçou a interconexão como um mantra e tentou implementar muitas dessas ideias na realidade. Isso também levou ao surgimento de jogos online multiplayer e mundos virtuais.

Second Life & Eve online, ambos lançados em 2003, são um dos primeiros mundos virtuais online que permitem às pessoas criar avatares, conhecer outras pessoas e interagir, comprar terrenos virtuais, desenvolvê-los e participar de transações imobiliárias virtuais.
Os desenvolvedores da plataforma multimídia Second Life afirmaram que seu objetivo era criar o conceito de metaverso de Snow Crash.

Hoje, os desenvolvedores e construtores do Metaverso costumam comentar que estão tentando ressuscitar o mundo descrito no Ready Player One.

A economia virtual

As primeiras economias virtuais começaram a tomar forma no mundo dos jogos. Como mencionado anteriormente no caso do Second Life, as pessoas começaram a acumular dinheiro que poderiam usar para comprar, alugar e vender ativos virtuais. A base da economia do Second Life era o dólar Linden, uma moeda virtual que podia ser trocada por moeda real. Curiosamente, esses jogos criaram um caminho regulatório para criptomoedas que seriam inventadas logo depois.

Muitos jovens sentem-se à vontade para interagir online com outros em espaços virtuais compartilhados, principalmente no mundo dos jogos. Isso significa que o Metaverso está sendo construído para eles? Possivelmente, sim! Afinal, a juventude é a esperança para o nosso futuro.

Para lhe dar uma perspectiva, o mundo dos jogos hoje é maior do que as indústrias cinematográfica e musical combinadas, e está crescendo exponencialmente. Embora não receba a mesma atenção que a indústria do cinema e da música, existem cerca de 2,8 bilhões de jogadores em todo o mundo. Isso é aproximadamente 35% da população mundial! Nazim Zeeshanthe nos mostra que o jogo tem sido à prova da pandemia:

Antes limitados a fliperamas ou PCs, os videogames deram um salto gigantesco com o crescimento da Internet. Um gráfico do NewZoo mostra quantos bilhões de dólares a indústria de jogos deve ganhar em 2023:

Fonte

Os mais jovens se sentem à vontade para encontrar amigos e brincar com eles online. As gerações anteriores costumavam sair com seus amigos aos parques ou shoppings. Cada vez mais, os jovens de hoje gostam de sair e conversar virtualmente enquanto jogam juntos. Essa tendência se acelerou ainda mais durante o isolamento da pandemia provocada pelo COVID-19. Embora, em certo sentido, isso nos mantenha mais distantes, a interconexão também pode aproximar as pessoas.

Definindo o Metaverso

Com esse pano de fundo, vamos definir o Metaverso com uma das descrições mais comumente referenciadas por Matthew Ball, autor do extenso Metaverse Primer.

“O Metaverso é uma rede expansiva dos mundos 3D renderizados em tempo real e simulações que suportam a continuidade de identidade, objetos, histórico, pagamentos e direitos, e podem ser experimentados de forma síncrona por um número efetivamente ilimitado de usuários, cada um com um sensação de presença”.

Em poucas palavras, é uma experiência 3D compartilhada ou uma versão virtual integrada da Internet, na qual estamos constantemente dentro, em vez de acessá-la.

É uma rede de experiências, aplicativos, dispositivos e infraestrutura interconectados.

Quebrando o mito!

O metaverso é apenas um videogame na realidade virtual?

Um dos mitos mais citados sobre o Metaverso é que ele só pode ser experimentado através dos fones de realidade virtual (VR). Na realidade, a RV é apenas um dos mecanismos para experimentar o Metaverso, não o único meio de fazê-lo. Milhões de pessoas estão participando de mundos virtuais diariamente sem dispositivos VR ou XR. Outro equívoco é que o Metaverso é um videogame. Embora as pessoas joguem no Metaverso e sejam recompensadas por isso, esses jogos estão no Metaverso, e não no Metaverso em si.

Alguns dos mundos virtuais mais populares que estão construindo um Metaverso

Decentraland – O primeiro mundo virtual descentralizado, apropriadamente, é chamado Decentraland (DCL). Muitas empresas líderes da alta tecnologia possuem propriedades e estão presentes na DCL; atualmente, alguns estão usando esses espaços para eventos ou vitrines de realidade virtual, enquanto outros estão segurando a terra, presumivelmente com a esperança de que se torne um negócio maior no futuro.SANDBOX – O próprio aplicativo móvel do Sandbox nos mostrou o poder dos jogos de blocos de construção pixelados. O mundo metaverso do Sandbox é uma grade de 408 x 408 que contém 166.464 parcelas; nunca será maior. Usuários individuais podem possuir propriedades e monetizar experiências. Outros usuários podem criar e monetizar objetos NFT para uso nestes mundos de jogo, existe a possibilidade de ganhar renda relocando suas terras para outros desenvolverem e usarem. O Sandboz possui uma criptomoeda nativa chamada SAND, que pode ser usada no mercado para comprar e vender itens no jogo. As parcelas de terra são outro NFT chamado LAND.CRYPTOVOXELS – Cryptovoxels é um mundo virtual e metaverso, alimentado pela blockchain Ethereum. Os jogadores podem comprar terrenos e construir lojas e galerias de arte. Ferramentas de edição, avatares e bate-papo tex estão sendo construídos. Seu crescimento veio principalmente da arte da comunidade.SUPERWORLD – Em vez de criar um mapa fictício, o SuperWorld usa o globo que já temos. Todo o planeta Terra serve como seu portal metaverso. As pessoas podem plantar objetos em qualquer local que possa ser descoberto por meio de RA. Eles podem construir estruturas, esconder tesouros, mostrar obras de arte e construir experiências em qualquer lugar do mundo que os outros possam encontrar e experimentar através da realidade aumentada.ROBLOX – Roblox é uma plataforma de jogos online e um sistema de criação de jogos desenvolvido pela Roblox Corporation. Roblox é gratuito para jogar, com compra no jogo disponível por meio de uma moeda virtual chamada “Robux”. Em agosto de 2020, Roblox tinha mais de 164 milhões de usuários ativos mensais, sendo jogado por mais da metade de todas as crianças menores de 16 anos nos Estados Unidos.

A essa altura você deve estar se perguntando…

Tudo bem, então posso comprar terrenos e outros ativos digitais nesses mundos virtuais. No entanto, esse terreno ou ativo só existe na Internet.
Quem rastreia minha propriedade e como faço para transacionar sem que nenhuma autoridade acompanhe as transações?

Para responder a essas perguntas, precisamos entender alguns conceitos importantes:

  1. NFT – Um NFT (às vezes pronunciado como “nifty”) significa token não fungível (Non-Fungible Token), basicamente algo que é único e não pode ser trocado por outra coisa. Por exemplo, os diamantes não são fungíveis. Os diamantes individuais têm diferentes cortes, cores, tamanhos e graus, não são intercambiáveis. No Metaverso, um terreno virtual é um tipo de NFT. Pode até ser uma figura de jogo ou um ativo no jogo, ou até mesmo arte digital.
  2. O Blockchain é um registro compartilhado e imutável que facilita o processo de registro de transações e rastreamento de ativos na rede de negócios. Ele aumenta a confiança, a segurança, a transparência e a rastreabilidade dos dados compartilhados na rede de negócios.
  3. Contratos inteligentes são acordos autoexecutáveis ​​que são escritos em linhas de código no blockchain. Eles usam lógica condicional incorporada (“se ​​isso, então aquilo”) para executar um contrato assim que seus termos forem cumpridos. Como esses termos são codificados, um contrato inteligente elimina a necessidade de confiança: você não precisa conhecer ou confiar na outra parte da transação. Com acordos autônomos e autoexecutáveis, eles podem funcionar sem o uso de advogados, notários ou outros agentes. Ao comprar um NFT, o fará por meio do contrato inteligente.

Em geral, as próprias imagens NFT não são armazenadas no blockchain devido ao grande espaço do arquivo. Eles geralmente existem na web distribuída em um repositório como o InterPlanetary File System (IPFS). Seus metadados estão vinculados ao token NFT por uma sequência exclusiva de números chamada hash criptográfico, e isso fornece ao seu token uma prova verificável de propriedade.

  1. Etherum é uma blockchain descentralizada de código aberto com a  funcionalidade do contrato inteligente. Ele foi projetado principalmente para contratos inteligentes que também são possíveis em outros blockchains, mas o Etherum continua hospedando a maioria dos NFTs.

NFTs e seu potencial

Os seres humanos sempre tiveram a tendência de adquirir, revelando nosso estilo, status e identidade por meio de posses – algo que os psicólogos chamam de ‘o eu estendido’. Na era digital, os consumidores estão se desfazendo dos bens materiais, seja para desorganizar ou para promover esforços de sustentabilidade. Nesse contexto, a economia virtual está prosperando. Cada vez mais consumidores estão comprando, negociando e exibindo ativos digitais, como moda virtual, NFTs e criptomoedas. As oportunidades para as marcas são inúmeras; por exemplo, marcas de luxo que tornam seus produtos mais acessíveis com versões digitais podem criar defensores leais da marca e que podem se tornar clientes reais no futuro.

Uma maneira de ver o Metaverso é como uma Internet de Valor. Trata-se de dar oportunidades a todos. As pessoas comuns não foram capazes de possuir Van Goghs, apreciando suas qualidades artísticas e participando da valorização dos preços ao longo do tempo… mas agora podem. Eles podem possuir uma fração de um como NFTs. Ou eles podem alugá-lo. Não apenas podem ter uma participação no possível aumento do valor do item ao longo do tempo, mas também podem ganhar com isso apostando seu valor na transação financeira descentralizada (Defi) e talvez ganhando juros sobre o ativo.

Os NFTs vão revolucionar muitas indústrias. Tomemos o exemplo da música. Um artista pode ter uma transação direta com um fã tendo o NFT como uma chave que desbloqueia uma música ou um álbum. As vendas são tratadas por meio de contratos inteligentes. A compra do NFT fornece ao usuário acesso ao item. O artista fica com esse dinheiro sem ter que pagar a maior parte para uma gravadora. Este conceito pode ser aplicado não apenas a artistas musicais, mas também a artistas visuais.

Dois dos maiores mercados de NFT atualmente são OpenSea e Rarible.

Eu tenho certeza que você deve ter várias perguntas em mente depois de tudo o que leu. Correto? Vou tentar responder algumas delas.

E os desafios específicos dos NFTs, como taxas de gás, latência de rede e os altos níveis de consumo de energia?

Para mitigar esses desafios, a tecnologia por trás das criptomoedas está evoluindo ativamente. Atualmente, a pegada de carbono anual das transações Ethereum é comparável a de todo o país da Noruega, mas uma atualização planejada pode resultar em cerca de 99,95% menos consumo de energia, de acordo com a Ethereum Foundation.

O Metaverso é realmente uma grande oportunidade para atender a um público profundamente engajado na criação de conteúdo digital e na monetização da distribuição de conteúdo no blockchain. 

Voltando à premissa da interconectividade baseada em uma experiência 3D compartilhada…

Os headsets de RV fornecem uma experiência totalmente imersiva e de alta fidelidade e são apontados como uma das principais tecnologias para experimentar esses mundos virtuais, em vez de simplesmente experimentá-los em monitores de computador ou dispositivos móveis. No entanto, a crítica usual associada aos fones de ouvido RV é que, a partir de hoje, eles são hardwares caros, desajeitados ou desconfortáveis e, portanto, não são populares.

Os hologramas são mais um mecanismo para experimentar conteúdo 3D. Há algum desenvolvimento excitante nesse campo para criar hologramas com os quais você pode interagir fisicamente.

Alguns proponentes do Metaverso afirmam que a RA e a RV serão fundamentais para realizar a visão do Metaverso. Embora o debate continue por algum tempo, a RA pode ser uma transição mais simples para a maioria das pessoas à medida que avançamos em direção a mais imagens virtuais. Usar o mundo real como um playground do Metaverso é uma abordagem fascinante que faz algum sentido.

E se o Metaverso for uma realidade distópica?

Ao mostrar a promessa de um mundo virtual compartilhado, Snow Crash e Ready Player One também apresentaram visões distópicas. Em cada história, o mundo do Metaverso era de propriedade e operado por grandes e desagradáveis corporações que exerciam controle autoritário. Tornaram-se gananciosos, extraindo seu quilo de carne das pobres almas que se tornaram dependentes delas. Essas grandes corporações que constroem esses mundos virtuais também o fariam conosco?

Se não tomarmos agora as decisões sociais corretas em relação a questões de privacidade, segurança, interoperabilidade e confiança em uma era em que a computação poderosa literalmente nos cercará, seremos capazes de evitar um “bloqueio” tecnológico, onde tecnologias disfuncionais e/ou proprietárias tornam-se permanentemente incorporadas à infraestrutura dos nossos sistemas globais, deixando-nos impotentes para alterar o curso de sua direção ou a ferocidade da sua velocidade.

E quanto à infraestrutura e ao poder de computação necessários para suportar tal adoção em massa do Metaverso?

De acordo com o relatório anual de Internet da Cisco, quase dois terços da população mundial terá acesso à Internet até 2023, e o número de dispositivos conectados a redes IP será o triplo da população mundial. 5G é a quinta geração de redes celulares. Até 100 vezes mais rápido que o 4G, o 5G fornecerá a coluna da infraestrutura para a realização do Metaverso. Com desenvolvimentos promissores no campo da computação quântica e óptica, veremos velocidades de computação mais rápidas, exigindo menos energia.

O Metaverso é o mesmo que a Web 3.0?

A Web 3.0 é uma referência à próxima fase da Internet que prevê a Web como amplamente executada por usuários que usam a tecnologia blockchain, em vez de ser executada por corporações. O Metaverso como conhecemos hoje está sendo desenvolvido por grandes corporações separadamente, então podemos dizer que o Metaverso é um mundo virtual imersivo sob a égide da Web 3.0 e não da Web 3.0 em si.

Mais sobre a Web 3.0 em uma próxima série…

Para concluir, uma coisa é certa, o Metaverso é apenas o começo de um movimento que mudará a forma como nossa sociedade digital opera, incluindo estratégia digital, vendas, publicidade e redes sociais.

Conhecer mais sobre o nosso Metaverse Studio

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>